Síndrome do intestino irritável: Glúten ou FODMAPs?

A síndrome do intestino irritável (SII) é um distúrbio funcional crônico que piora com dietas ricas em carboidratos oligo-, di-, monossacarídeos e polióis fermentáveis (FODMAPs). O tratamento sintomático inclui diversas adaptações dietéticas, e a redução do consumo de FODMAPs tem sido principal foco de grande parte dos estudos. Apesar disso, FODMAPs não são a única fonte de sintomas e mesmo na ausência de doença celíaca, pessoas com SII também podem ter sensibilidade aumentada ao glúten, mas o efeito deste nutriente ainda não é totalmente conhecido nesta população.

Para investigar esta questão, uma pesquisa recente comparou altas ingestões de glúten e FODMAPs em pacientes com SII. O estudo duplo-cego, controlado por placebo, randomizado, de desenho triplo cruzado foi conduzido na Suécia. Os pacientes foram inicialmente orientados a reduzir a fazer uma dieta de baixo impacto, com baixa ingestão de FODMAPs e sem glúten e, após 7 dias, foram expostos a um único desafio de FODMAPs e glúten, oferecidos na forma de bolo de cacau enriquecido com frutose (19,5g), lactose (15,7g), frutooligosacarídeos (7g), galactooligosacarídeos (1,5g), sorbitol (4,5g), manitol (1,8g) e glúten (17,3g).

Após esta etapa, participantes continuaram a dieta de baixo impacto por mais uma semana e foram então divididos em grupos para receber 3 variações de mingau de arroz: 1) adicionados de FODMAPs, 2) adicionados de glúten ou 3) Placebo. O mingau foi consumido em três porções diárias, durante 7 dias, e foi seguido de uma semana de pausa (wash-out). Este procedimento foi repetido até que todos os participantes recebessem todos os tipos de mingau, com um intervalo de uma semana entre o consumo de cada tipo. Os participantes não foram informados sobre o tipo de mingau estavam recebendo em cada ciclo, e amostras de sangue, urina e fezes, bem como medidas antropométricas, foram coletadas.

Um total de 103 participantes foram estudados. Os principais achados revelam que a severidade dos sintomas foi modestamente maior com o alto consumo de FODMAPs, e não foram identificadas mudanças significativas entre o grupo placebo e glúten. Os escores de distensão abdominal foram maiores com FODMAPs do que com placebo (P <0,0001) ou glúten (P = 0,023). A frequência de dor abdominal apresentou pontuações mais altas para FODMAPs do que para placebo (P = 0,0020) e foi limítrofe significativamente maior do que para glúten (P = 0,072).

Apesar dos achados, a exposição curta (7 dias) para as intervenções e o não monitoramento da dieta de baixo impacto podem ser consideradas limitações do estudo. Os autores concluem que a variabilidade interindividual nas respostas de intervenção deve ser considerada.

Referência

Nordin E, Brunius C, Landberg R, Hellström PM. Fermentable oligo-, di-, monosaccharides, and polyols (FODMAPs), but not gluten, elicit modest symptoms of irritable bowel syndrome: a double-blind, placebo-controlled, randomized three-way crossover trial. Am J Clin Nutr. 2022 Feb 9;115(2):344-352.

Por Natasha Machado

Leia Mais