Efeito da suplementação nutricional em gestantes adolescentes e nos primeiros mil dias do bebê

Adolescência é um período de risco nutricional por diversos fatores, entre eles estão o estirão pubertário, a incidência elevada de erros alimentares e aumento de demanda de nutrientes. No caso de gestantes adolescentes pode existir uma competição por nutrientes entre a mãe e o feto, o que aumenta o risco da gestação. Mais de 10% de todos partos no mundo são de mães entre 15 a 19 anos de idade; que apresentam maior risco de baixo peso ao nascer e prematuridade. Até o momento, existem poucos estudos relativos à suplementação nutricional e melhora nos desfechos gestacionais em gestantes adolescentes.

Recentemente, um ensaio clínico randomizado avaliou o impacto de intervenções nutricionais nos primeiros 1000 dias do bebê e os desfechos de estado nutricional,  crescimento e desenvolvimento dos bebês. Os indivíduos foram separados em 4 grupos: (grupo 1 – SNL) mulheres e crianças que receberam suplementos nutricionais à base de lipídios (óleo de soja, leite em pó, pasta de amendoim, açúcar e vários micronutrientes), na dose de 20 g/dia (118 kcal/dia) para mulheres e crianças; (grupo 2 – FAF e SNL) mulheres que receberam ferro (60mg) e ácido fólico (400mcg) (FAF) e crianças que receberam SNL (IFA-LNS); (grupo 3 – FAF e M) com mulheres que receberam FAF e as crianças receberam 15 micronutrientes em pó (M); (grupo 4 – FAF e C), com mulheres que receberam FAF e as crianças que não receberam suplementos (controle).

A suplementação dos bebês ocorreu de 6 a 24 meses e das mulheres até 3 meses após o parto. O acompanhamento foi realizado nos períodos: 36 semanas de gestação, ≤72 h pós parto, 42 dias pós parto, 6, 12, 18 e 24 meses pós parto. Iniciaram o estudo 4011 mulheres e terminaram 1313 participantes.

Como resultados, o SNL não foi associado com redução na incidência de baixo peso ao nascer, pequenos para idade gestacional ou nascimento prematuro, mas reduziu a baixa estatura neonatal em 25% e circunferência da cabeça abaixo do esperado em 28% em comparação com FAF. Contudo, no subgrupo de adolescentes com menor padrão de segurança alimentar, o uso de suplemento com lipídeos – SNL reduziu o baixo peso ao nascer e o nascimento prematuro.

A suplementação das crianças não mostrou resultados de significância estatística. Durante o período pós-natal, os resultados sugeriram que bebês do sexo feminino têm maior potencial para respondem a SNL do que crianças do sexo masculino, no que diz respeito a status de crescimento linear e perímetro cefálico, que pode ter implicações importantes em termos de altura e desenvolvimento. Como conclusão, o estudo aponta que estratégias nutricionais com suplementação em gestantes adolescentes devem ser consideradas, especialmente para adolescentes que vivem em lares com menor padrão de segurança alimentar.

Por Lenycia Neri

Referência:Dewey KG, Matias SL, Mridha MK and Arnold CD. Nutrient supplementation during the first 1000 days and growth of infants born to pregnant adolescents. ANNALS OF THE NEW YORK ACADEMY OF SCIENCES v. 1468 (2020) 25–34.