Associação entre resistência à insulina e depressão em jovens obesos

Depressão e resistência à insulina (RI) são cada vez mais prevalente entre os jovens e têm sido tradicionalmente compartimentadas, entretanto, evidências recentes sugerem associação entre essas síndromes. No contexto de sintomas depressivos, a RI está associada a estrutura disforme e conectividade funcional na região do córtex cingulado anterior (CCA) e no hipocampo. Esse circuito neural motivacional aumenta a sensibilidade aos aspectos recompensadores da ingestão de alimentos altamente calóricos que levam a ingestão alimentar, mesmo quando saciados. Para investigar esse mecanismo, estudo recente avaliou 42 jovens com depressão e sobrepeso entre 9 e 17 anos. Os pesquisadores investigaram associações entre resistência à insulina, depressão e avaliaram a estrutura e conectividade funcional do CCA-hipocampo. Os resultados mostraram que os jovens com maior RI apresentaram níveis mais elevados de anedonia (perda da capacidade de sentir prazer, comum nos estados depressivos) e maior procura de alimentos. Jovens com altos níveis de RI, CCA mais fino e menores no hipocampo foram associados a sintomas depressivos mais graves, enquanto o oposto foi verdadeiro para os jovens com baixos níveis de RI. A rede motivacional do CCA-hipocampo que auxilia a depressão e a RI separadamente, pode representar uma interação neural crítica que liga essas duas síndromes.

Referência: Singh MK, Leslie SM, Packer MM, et al. Brain and behavioral correlates of insulin resistance in youth with depression and obesity. Horm Behav. 2018 Mar 26. pii: S0018-506X(17)30501-9.