Anemia e indicadores de insegurança nutricional

Deficiência de micronutrientes é um problema de saúde pública em todo o mundo, em especial nos países em desenvolvimento. A deficiência de ferro resulta em diminuição dos níveis de hemoglobina, que chamamos de anemia, doença global que acomete cerca de 1,62 milhões de indivíduos. Recentemente, pesquisadores Brasileiros, através de uma revisão sistemática, verificaram quais indicadores de insegurança alimentar estão relacionados a anemia infantil.

Crianças menores de 2 anos, idade materna abaixo de 20 anos, baixa escolaridade materna, bebês do sexo masculino, infecção respiratória e diarreia constante são alguns dos indicadores socioeconômicos que estão associados a anemia. Quanto aos indicadores relacionados à insegurança alimentar e nutricional, foram destacados a ausência ou aleitamento materno insuficiente, baixo peso ao nascer, introdução precoce de alimentação complementar, ingestão de leite próximo a refeições, início tardio do pré-natal e ausência de suplementação materna ou infantil com sulfato ferroso.

Dados relacionados à insegurança alimentar e nutricional são fundamentais para a atuação do nutricionista, que deve orientar sobre aleitamento e introdução de novos alimentos às crianças e, em especial, orientar sobre o uso de fórmulas infantis que contenham leite em sua composição, que interferem na absorção de ferro.

Referência: ANDRÉ, H.P., et al. Food and nutrition insecurity indicators associated with iron deficiency anemia in Brazilian children: a systematic review. Ciência & Saúde Coletiva, 23(4):1159-1167, 2018.

Por: Magda Medeiros